Ortodoxos vs Heterodoxos

Publicado por 13 3864

ortodoxosA ciência econômica é uma ciência social. E como tal, não possui regras e leis fixas como nas ciências naturais. Isso permite que diversas correntes de pensamento permeiem a academia econômica e essa está em constante transformação.

Existem diversas escolas econômicas, entre elas podemos citar: clássicos, neoclássicos, novos-clássicos, keynesianos, novos-keynesianos, pós-keynesianos, monetaristas entre outros.

Mas assim como existem correntes que divergem radicalmente entre si, existem aquelas que convergem em inúmeros conceitos, diferenciando-se em um ou outro aspecto. De maneira geral, é comum observarmos uma separação ideológica simples, ortodoxos e heterodoxos.

No dicionário, ortodoxia são as doutrinas primeiras, as ditas verdadeiras. Compreende todos os pensadores clássicos e neoclássicos da escola econômica. Defendem, entre outras coisas, a neutralidade da moeda e a tendência natural ao equilíbrio econômico em pleno emprego. Existe uma força que ajusta o mercado de forma livre, sem a necessidade de pressões externas. A Teoria do Equilíbrio Geral é um dos pilares da ideologia, segundo a qual o livre funcionamento do mercado, com a flexibilidade de preços e de fatores de produção leva ao ponto de eficiência máxima.

A Lei de Say é um elemento importante da teoria ortodoxa, segundo esta, toda oferta adicional gera uma demanda adicional. Isso salienta o papel do investimento no mercado, em voga, elementos como custos de produção e utilização eficiente dos fatores.

Na política, entra em cena o liberalismo, que entre outras coisas defendem um mercado livre e com a presença mínima do Estado, além da livre concorrência em esfera nacional e internacional.

As características ortodoxas ficam bem evidentes quando se trata de mecanismo de política econômica. Acreditam que para uma nação crescer é necessário acabar com a inflação e assim possibilitar o crescimento econômico. A inflação deve ser controlada através de políticas fiscais e monetárias contracionistas, o governo deve reduzir os gastos para controlar a demanda global. Tais políticas, todavia, podem trazer conseqüências recessivas, e nem sempre controlar de fato a inflação.

Em uma nova pesquisa ao dicionário, heterodoxia são as doutrinas seguintes, aquelas que estão em desacordo com a ortodoxia. Esse pensamento heterodoxo construiu-se desde os debates e críticas internas do pensamento neoclássico,com Sraffa, por exemplo. Dali em diante, surgiram pensadores como Joan Robinson, Kalecki e atingindo o seu auge com J.M.Keynes.

A ideia é que o sistema não tende ao equilíbrio de maneira espontânea, quando ocorre é temporário e às vezes imperceptível. Alguns autores negam os pressupostos neoclássicos, outros ainda tentam encontrar soluções usando os ceteris paribus ortodoxo. Exaltam o papel das instituições, o Estado, como agente regulador e capaz de promover o crescimento econômico.

O Estado deve se preocupar em fazer crescer a economia, e por consequência, a inflação será controlada. As medidas relacionadas ao controle da inflação, estão presentes na regulação de preços, salários, contratos e câmbio. O governo pode estimular o crescimento através do aumento dos gastos públicos, que não sejam financiados pelo aumento dos impostos. Uma política que costuma trazer um agravamento dos índices de inflação.

Nas últimas décadas, entrou em cena um grupo denominado Estruturalistas. Esse grupo acredita que o Estado tem papel importante na economia, além do social. No entanto, o objetivo deixa de ser apenas o crescimento econômico, mas também o desenvolvimento. As idéias são voltadas para os países considerados subdesenvolvidos – principalmente América Latina.

Utilizando um parágrafo de Gustavo dos Santos:

Para um economista ortodoxo: “A Ciência Econômica é o estudo da administração dos recursos escassos”. Para um economista Keynesiano: “A ciência econômica é o estudo da administração da política do Estado do ponto de vista de seus condicionantes, objetivos e implicações”.

O fato é que ao tentar diferenciar autores ortodoxos e heterodoxos no que tange ao pensamento teórico, encontramos certa facilidade. No entanto, essas idéias não ficam bem diferenciáveis quando passamos para a esfera política – vide a historia do Brasil na década de 80.



Daniel Simões Coelho

Economista, servidor público federal, especialista em gestão pública.

Leia todos os artigos de Daniel Simões Coelho

Contato: http://academiaeconomica.com/contato

Artigos Relacionados

13 comentários

  1. Anonymous 13/11/2009 em 19:47

    Me ajudou muito a compreender a diferença entre esses dois grupos. Nem sempre o aluno iniciante consegue compreender esses fundamentos ao estudar um livro de economia.
    Agradeço.

    Danieli

  2. leitor1 05/03/2011 em 10:47

    Muito Bom o seu artigo. Ajudou-me a compreender o assunto.

  3. Rafael Felipe 27/03/2011 em 22:12

    muito grata pelo conhecimento compartilhado, consegui absorver toda a informação ;D

  4. Daniel Simões Coelho 04/04/2012 em 18:41

    Dois comentários idênticos foram removidos pelas seguintes razões.

    1. O leitor não se identificou, impedindo que possa ser realizado um debate como é a proposta.

    2. Não foi apontada a crítica, mas a desqualificação deliberada do texto.

    Entendemos que as ideias podem divergir, mas é lamentável que algumas pessoas não sabem argumentar, apenas criticar sem fundamentos.

    Aos demais, muito obrigado e contribuam para que melhoremos a qualidade dos textos.

    Abraços

  5. Clei 19/05/2012 em 11:22

    Olá Dannyell!

    Fantástico e esclarecedor seu texto. Sou da área de administração, mas sempre quis entender a diferença entre ortodoxos e heterodoxos. Entretanto, nunca encontrei um texto didático como o seu. Gostaria de tirar uma dúvida, caso você possa me responder: posso considerar que os clássicos, neoclássicos e novos clássicos são ortodoxos e a partir de Keynes heterodoxos (no sentido de autores que defendem a intervenção do estado como necessária para o nosso desenvolvimento?). Muito obrigada, também esclareceu muito para entender o foco dos estruturalistas! Grande abraço e Sucesso! Clei

  6. Daniel Simões Coelho 19/05/2012 em 12:45

    Olá Clei, que bom que o texto lhe serviu. Bem, você pode imaginar a teoria ortodoxa como aquela em que defende o equilibrio de mercado baseado na livre ação dos agentes. Sem, obviamente, a intervenção do Estado. Mas tome cuidado para não confundir Ortodoxia com liberalismos, existem autores liberais heterodoxos.

    Pense que os ortodoxos são os que defendem a existência do pleno emprego, equilibrio, a tentativa de matematizar as relações entre os agentes e o mercaddo e outras características. é muito difícil conceituar de maneira ampla, pois são muito peculiares cada teoria, por isso, a sua dificuldade em encontrar textos simples.

    Quanto aos heterodoxos, sao todas por exclusão, que não seguem os preceitos das teorias ortodoxas. Keynes, sem dúvida é o maior expoente, mas não foi o primeiro a contestar o mainstream Kalecki, por exemplo, já produzia seus textos muito antes.

    É isso, obrigado pela visita e pelo comentário.

  7. Daniel Simões Coelho 28/06/2013 em 14:37

    Danieli, obrigado pela visita.

    acredite eu sei muito bem como é isso

    abraços

  8. Daniel Simões Coelho 28/06/2013 em 14:38

    obrigado

  9. Daniel Simões Coelho 28/06/2013 em 14:38

    :)

  10. Hilderlanio Vieira 29/10/2013 em 22:59

    por favor poderia me esclarecer a qual escola economica o tripé economico esta vinculado,se ortodoxas ou heterodoxas?Obg!

  11. Daniel Simões Coelho 30/10/2013 em 11:35

    Hilderlanio, pergunta difícil. O tripé macroeconômico baseia-se nas três metas de inflação (monetária), câmbio (cambial) e orçamento (fiscal). Essa abordagem macroeconômica clássica é atribuída à tentativa de sintetizar diversas teorias sobre as variáveis econômicas. Manter as metas de forma rígida sempre foi relacionado à medidas ortodoxas, mas vejo com cautela essa visão. Visto que para a consecução dessas metas dependem da intervenção do estado na economia. De todo o modo, sugiro não pensar dessa forma: ortodoxos ou heterodoxos. Com a evolução da ciência fica difícil colocar tantas escolas de pensamento econômico em duas caixas separadas. Pense em como tratam cada uma dessas mesmas escolas, as metas buscadas pelo governo.

  12. Damião Oliveira 15/08/2014 em 18:57

    Bom artigo, Daniel. Queria saber se a teoria marxista, nesse contexto, se classificaria como heterodoxa. Obrigado!!!

    • Daniel Simoes Coelho 15/08/2014 em 21:30

      Damião, obrigado pelo comentário e pela visita.

      Marx foi teórico da alternativa ao capitalismo. Pela sua obra, é impossível classifica lo como heterodoxo ou ortodoxo.

      Esaa lógica funciona apenas para teorias que admitem o capitalismo como modo de produção incontestável.

      Abraços.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os comentários serão publicados automaticamente, mas deletados quando ofensivos, ilegais ou spans. *